Psicóloga estuda o processo de envelhecimento na contemporaneidade

Desde a década de 1950, diversas pesquisas e estatísticas têm apontado o crescente envelhecimento da população mundial. O Brasil, que costumava representar um país jovem, foi surpreendido com o aumento da população mais velha e está sendo forçado a encarar o fato como sua nova realidade nacional, acrescentando a velhice no conjunto das preocupações e dos investimentos sociais. Utilizando sua experiência de trabalho com grupos de idosos, Mariele Rodrigues Correa analisa, em Cartografias do envelhecimento na contemporaneidade: velhice e terceira idade, lançamento do selo Cultura Acadêmica, o processo de envelhecimento humano no cenário brasileiro como uma questão que ultrapassa os determinismos biológicos e a ação decisiva do tempo, sendo modelado pelo conhecimento científico e por ações do Estado pela via das políticas públicas. Desta forma, Mariele mostra que os estigmas e as práticas de invalidação da velhice cederam lugar para tentativas de representá-la como uma fase da vida capaz de comportar atividades produtivas, realização de projetos e participação ativa no mercado de consumo. Em Cartografias do envelhecimento na contemporaneidade: velhice e terceira idade, a velhice é vista de maneira diversificada, possibilitando a vivência do envelhecimento e o aproveitamento da maturidade que esse período oferece. Essa e outras formas de experiência do envelhecimento na atualidade são analisadas nesta obra, procurando-se demonstrar que a velhice não é um fato uno e inexorável, mas sim uma construção humana que abre margens para experiências e significações múltiplas. Sobre a autora – Graduada em Psicologia (2004) e mestre em Psicologia pela Unesp, onde é doutoranda no programa de Pós-Graduação em Psicologia. Foi professora substituta da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, câmpus de Assis, no curso de Psicologia e docente da FIO – Faculdades Integradas de Ourinhos. Membro dos grupos de pesquisa cadastrados no CNPq “Figuras e Modos de Subjetivação no Contemporâneo” e “Psicologia e Instituições”. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social, atuando principalmente nos seguintes temas: velhice, terceira idade, reforma psiquiátrica, saúde mental, gestão das populações, contemporaneidade.

Dermatologia ganha seu primeiro dicionário produzido a partir de modelos linguísticos

8 de novembro de 2017

Análise sobre processo educativos para trabalhadores da Saúde desvenda as particularidades do SUS

8 de novembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *