Pesquisa indaga a possibilidade de utilizar no jornalismo as estratégias da história

Realizando a convergência entre História e Jornalismo, Maximiliano Martin Vicente viabiliza a proposta de promover leituras englobando estes dois campos do conhecimento e pesquisar de maneira ampla o significado social desse veículo de comunicação na atualidade. Sua reflexão resultou em História e comunicação na nova ordem internacional, lançamento do selo Cultura Acadêmica, obra que explora as divergências na cobertura dos veículos estudados, como o Le Monde Diplomatique e a revista Veja, para verificar a possibilidade de operar na comunicação com as estratégias da história. O autor propõe a identificação entre a história e a comunicação, justamente porque ambas sofrem de preocupações epistemológicas e inquietações teóricas. Também dividem semelhantes objetos de pesquisa e todo contexto de interpretação de concessão dos fatos são extremamente próximos. Dessa forma surge o interesse de identificar o significado social e a relevância desse veículo de comunicação chamado jornalismo, aproximando a vertente histórica, que estuda o fato consumado, e a vertente da comunicação baseada no cotidiano. Neste sentido, diversos autores são visitados com o intuito de destacar o papel social da comunicação, adentrando nos estudos das possibilidades de como se materializa sua influência no dia a dia das pessoas. Um exemplo marcante surge da análise midiática do atentado de 11 de Setembro, nos Estados Unidos. Segundo Maximiliano, “os veículos caminhavam para uma única versão dos fatos. A Revista Veja assumiu uma posição parcial, que caminhava em direção à legitimação de uma postura sem compreensão da outra, que é: qual a visão que têm os árabes a respeito desse atentado? Foi o que fez o jornal Le Monde Diplomatique.” Sobre o autor – Maximiliano Martin Vicente é graduado em História pela Universidade do Sagrado Coração (1982), mestre em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1987) e doutor em História Social pela Universidade de São Paulo (1996). Atualmente é professor titular da Unesp. Tem experiência no ensino nos cursos de Comunicação Social, na área de História do Brasil e Realidade Sócio- Econômica e Política Brasileira Contemporânea. Atua no programa de Pós- Graduação em Comunicação Midiática da Unesp, câmpus de Bauru, onde orienta pesquisas na área de Gêneros e Formatos da Comunicação Midiática e leciona a disciplina Comunicação e História na Nova Ordem Internacional.

Dermatologia ganha seu primeiro dicionário produzido a partir de modelos linguísticos

8 de novembro de 2017

Análise sobre processo educativos para trabalhadores da Saúde desvenda as particularidades do SUS

8 de novembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *