Historiadora analisa o processo de construçãode identidade nacional na Argentina

O período compreendido entre o final do século XIX e o início do XX foi de grande importância social e histórica para os países latino-americanos no que diz respeito à afirmação de suas nacionalidades. Na Argentina, com o desenvolvimento econômico e o grande contingente imigratório ocorrido na época, a questão nacional transformou-se no tema central das discussões políticas e intelectuais do período e a etnicidade foi utilizada de maneira frequente pelas elites para formular questões pendentes ao processo de formação da pátria. Em Carlos Octavio Bunge e José Ingenieros: entre o científico e o político, lançamento do selo Cultura Acadêmica, a historiadora Camila Bueno Grejo analisa o período de 1880 a 1920, verificando quais foram os mecanismos utilizados pela elite argentina a fim de que se forjasse uma identidade nacional. Para isso, baseou-se na produção intelectual de Carlos Octavio Bunge e José Ingenieros e no papel político que esses escritores desempenharam, uma vez que ambos tiveram atuações junto ao governo e à sociedade de seu tempo. Visando discutir os problemas que permeavam a sociedade argentina, Bunge e Ingenieros utilizaram elementos sociológicos, antropológicos, étnicos, biológicos e também históricos. Apesar de suas obras não se constituírem em obras historiográficas, as fontes possuem historicidade, uma vez que ela pode ser representada a partir da tomada de consciência por parte da elite política e intelectual, fazendo com que esse ramo passasse a refletir nos problemas da sociedade argentina e nas ações que deveriam ser realizadas com vista à construção da identidade nacional. A autora busca compreender o significado de nação expresso pelos intelectuais argentinos do início do século XX e analisa como, na visão deles, seria possível construir uma nacionalidade num país tão heterogêneo, tomado pela imigração europeia, tendo em vista que a partir desse período definiram-se os traços da representação da nação argentina que terminariam por se impor. Sobre a autora – Graduada (2005) e mestre (2009) em História pela Unesp. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Latino- americana, atuando principalmente nos seguintes temas: Argentina, História política e intelectual. Integra o projeto temático “Cultura e política nas Américas: circulação de idéias e configuração de identidades (Séculos XIX e XX)”, financiado pela Fapesp. Atualmente é professora da Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp).

Dermatologia ganha seu primeiro dicionário produzido a partir de modelos linguísticos

8 de novembro de 2017

Análise sobre processo educativos para trabalhadores da Saúde desvenda as particularidades do SUS

8 de novembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *