Estudo aponta o papel ativo do leitor na criação literária

Partindo do princípio que a ironia, a paródia e o riso são três modalidades literárias próximas que têm em comum o questionamento de uma visão maniqueísta e que geram tensão, Camila da Silva Alavarce debruça-se sobre o estudo desses discursos para identificar as diferentes vozes dissonantes e o papel do leitor na construção dos sentidos dos textos literários. Seu estudo está agora publicado em A ironia e suas refrações: um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso, lançamento da Cultura Acadêmica Editora. Para a autora, a ironia, a paródia e o riso atuam, nos textos literários, com o objetivo de suspender a censura e de burlar as prisões dos discursos monofônicos e consequentemente autoritários. “Isso é possível porque privilegiam a polifonia e o elemento dis¬sonante, legitimados pelo contraste de ideias, traço comum entre esses três tipos de discurso. Logo, essas categorias, como atos de comunicação, optam por determinada ótica ou postura, que entra em choque com outra, e é isso que garante a polifonia”, explica. Como esses discursos convidam o sujeito para colaborar na cons¬trução do sentido na comunicação, eles são vias para um mo¬vimento de reflexão e de ampliação do conhecimento e da percepção crítica. “O sujeito é valorizado como um ser capaz de assimilar toda a estrutura contra¬ditória desses discursos por meio do exercício da razão”, justifica. O primeiro capítulo dedica-se, portanto, ao receptor da mensagem: o leitor e seu papel ativo na construção do sentido. Em seguida, faz um estudo pormenorizado da ironia, de suas funções e de suas variadas possi¬bilidades de ocorrência. O terceiro capítulo trata da paródia como um tipo de texto literário que se constitui pelo choque entre discursos dissonantes, como é o caso, num outro nível, da ironia. O quarto é dedicado ao riso, com resgate das teorias de Schopenhauer, Baudelaire e Jean Paul. No quinto, a autora relaciona as três modalidades para, em seguida, proceder à leitura de três obras literárias, analisadas a par¬tir da ironia, paródia e riso: os romances O homem duplicado (2002), de José Sara¬mago, e O cavaleiro inexistente (1959), de Ítalo Calvino, e o conto “O duplo” (1846), de Dostoievski. Para Camila, a ironia, a paródia ou o riso constituem um convite ao leitor para desvendá los, perpetuando, assim, o ensejo de ampliação de sua percepção crítica. Sobre a autora – Camila da Silva Alavarce possui graduação em Letras (2001) e mestrado em Estudos Literários (2003) e doutorado em Teoria Literária (2008) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2003). Atualmente, é professora de gramática e de literatura brasileira e portuguesa em três colégios. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria Literária e Literatura Portuguesa, atuando, sobretudo nos seguintes temas: ironia, paródia, riso, análise do narrador e da organização da narrativa.

Estudo sobre Cecília Meireles resgata expressão lírica feminina na América Latina

8 de novembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *