Educadora confronta saberes teóricos e práticos na formação do docente brasileiro

Complexidade da formação de professores: saberes teóricos e saberes práticos mostra como as pesquisas produzidas a partir dos anos 90 até meados desta década apresentam reflexões acerca dos modos de como se aprende a prática de ensinar na sala de aula, tendo em vista a formação e atuação docente em nosso país. A obra, lançamento do selo Cultura Acadêmica, foi estimulada por outros estudos realizados pela educadora Marilda da Silva, que abriram uma discussão sobre a racionalidade da constituição da natureza do trabalho docente, sobretudo no que se refere ao ensino na sala de aula. Para a autora, o melhor modo de obter informações no campo educacional é por meio da voz do professor, sobretudo as que dizem respeito aos componentes da complexa estrutura da prática docente que é efetivada por eles. Em Complexidade da formação de professores, o critério utilizado para a definição das características das fontes foi que elas tivessem informações a partir da voz do professor quer seja como método de reflexão acerca da prática pedagógica, quer seja como informação sobre essa prática. A autora explica que desde o início dos anos de 1990, as pesquisas brasileiras e estrangeiras vêm apontando que a formação de professores precisa passar por reformulações radicais e que isso estabelece relação com a natureza dos dois saberes que sustentam a docência e com o tipo de relação inexorável que há entre eles. Complexidade da formação de professores deixa claro que não tem como objetivo confrontar a formação inicial com a formação continuada e vice-versa, mas sim pensar a complexidade da formação dos profissionais que ensinam em nossas escolas. Sobre a autora – Graduada em Pedagogia pela Faculdade de Educação Antonio Augusto Reis Neves (1981) e em História pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ituverava (1986). Mestre em Filosofia e História da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1994), doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (1999) e pós-doutorado em Estudos Comparados em Educação pela Universidade de Lisboa (Prof. António Nóvoa – 2001-2002). É professora Adjunto (a partir de setembro de 2006) na Unesp, câmpus de Araraquara. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Didática, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, didática, habitus professoral e habitus estudantil, didática e formação de professores, história de escolarização de alunos e ensino na sala de aula.

Estudo sobre Cecília Meireles resgata expressão lírica feminina na América Latina

8 de novembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *