O estudo apresentado neste livro trata da relação entre Lógica e Psicologia e parte da questão apresentada na obra Ensaio de Lógica Operatória de Jean Piaget (1896-1980): "[…] como se constituem as estruturas elementares de classes, de relações, de números, de proposições, etc., formalizadas com toda independência e autonomia pelo lógico e […] quais são suas relações com as 'operações' do pensamento 'natural', muito mais pobre e não formalizado.".
Os autores Rafael dos Reis Ferreira e Ricardo Pereira Tassinari observam que nessa questão, Piaget pressupõe que as operações lógico-formais estão vinculadas a um sujeito. O que interessa ao pensador francês é a compreensão de como se formam as estruturas necessárias ao conhecimento lógico-matemático e como isso é possível a partir do desenvolvimento psicológico.
Eles mostram que, apesar de recorrer à Psicologia, trata-se no contexto dessa investigação de Piaget, fundamentalmente, de um interesse filosófico, relacionado à Teoria do Conhecimento e à Epistemologia, particularmente ao que o francês chama de Epistemologia Genética, e não propriamente uma investigação de pura Psicologia.
A questão da relação entre Lógica e Psicologia estudada nesse livro é basicamente de como o sujeito epistêmico usa e se torna capaz de usar funções proposicionais para estruturar a realidade e produzir conhecimento sobre ela.
A obra inicia-se com a contextualização do pensamento de Piaget no âmbito das discussões filosóficas e os pressupostos gerais da Epistemologia Genética e suas relações com a Psicologia Genética. O segundo capítulo é dedicado a algumas das discussões de princípios realizadas por Piaget no Ensaio, acerca do objeto e da definição da Lógica Operatória. No capítulo seguinte, os autores procuram responder à questão central do estudo, focando a análise sobre o conceito de função proposicional para Piaget e a relação desta com o seu correspondente psicológico, o esquema conceitual.