No pomar de Drummond: nova seara crítica é mais uma coletânea coletiva que se debruça sobre a inesgotável obra poética de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987). Os ensaios aqui reunidos mapeiam um arco temporal de 50 anos, que vai de Alguma poesia (1930) a A paixão medida (1980), e privilegia alguns títulos não (tão) canônicos do repertório do itabirano.

O leitor verá que a organização primou por respeitar a sequência cronológica da produção de Drummond, modo talvez mais produtivo de adentrar os canteiros por ele preparados, a fim de surpreender tanto o que foi plantado pelo poeta, quanto o que foi brotando a esmo ou com esmero semeado pela ação do tempo e da recepção crítica à sua vasta obra, de variada fortuna. Assim, nossa colheita pressupõe atenção primeira aos produtos do pomar drummondiano, mas não prescinde do diálogo (afiado, afinado ou destoante) com outros segadores/semeadores que por aí transitaram (ou transitam) com o mesmo objetivo de colher e semear. Com isto, frise-se a maneira atenta pela qual os 15 ensaios aqui gerados se entre/teceram, ao aproveitarem as novas edições críticas da poesia de Drummond e os novos estudos que sobre ela têm brotado neste começo de século XXI.

A todos os que participaram deste novo trabalho coletivo, desde 2012, ficam consignados nossos agradecimentos. Aos leitores, os convidamos a partilhar desta seara e a enriquecê-la com suas próprias colheitas e semeaduras.