Absurdo e censura no teatro português

A produção dramatúrgica de Helder Prista Monteiro (1959-1972)

Nesta obra, a autora analisa a obra do dramaturgo português Helder Prista Monteiro, considerado pela historiografia teatral um dos representantes do teatro do absurdo produzido em seu país. O dramaturgo também esteve engajado nas discussões sobre teatro e literatura, e foi, em 1976, um dos sócios fundadores da Associação Portuguesa de Escritores – antiga Sociedade Portuguesa de Escritores, destruída pela polícia política do regime ditatorial, a PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado) – e, de 1974 a 1990, secretário geral da Sociedade Portuguesa de Escritores Médicos.

Formatos

,

Ano

Dimensões

Páginas

Edição

ISBN

Autor

Márcia Regina Rodrigues (Autor)

Coleções

PROPG - 2017