Assistente social pesquisa a realidade familiar após a separação conjugal

O livro Recomeçar: família, filhos e desafios trabalha com um assunto muito frequente no Brasil e no mundo, embora ainda não seja exautivamente trabalhado em termos acadêmicos: o da separação conjugal. Lançamento do selo Cultura Acadêmica, a assistente social Nayara Hakime Dutra de Oliveira discorre sobre questões em torno das relações familiares na contemporaneidade, percorrendo as mudanças que podem ocorrer em sua configuração após a separação, e a atenção fornecida pelas políticas públicas em função da garantia de direitos. A partir dos desafios e superações enfrentados no decorrer das trajetórias familiares, a autora busca compreender o contexto em que se inserem, ou seja, no sistema capitalista de produção e sua influência. De acordo com Sarti, citado por Nayara, “vivemos uma época como nenhuma outra, em que a mais naturalizada de todas as esferas sociais, a família, além de sofrer importantes abalos internos, tem sido alvo de marcantes interferências externas”. O livro propõe o aprofundamento nos modelos familiares existentes na sociedade brasileira, bem como o processo de evolução das uniões que vão do casamento até as consensuais ou estáveis. Na adaptação à separação, a linguagem comportamental de cada membro da família é redefinida de acordo com os conflitos que vivenciam. A obra apresenta, ainda, um levantamento focado nas famílias desprovidas de condições de subsistência, que se desenvolve em torno da manutenção e centralidade nas políticas sociais, no que diz respeito à organização estatal. Segundo a autora, “a família realmente possui centralidade na vida de cada pessoa, e, se essa centralidade, prevista no Sistema Único de Assistência Social (Suas), permitisse que as famílias obtivessem as mínimas condições para exercer a autonomia de suas próprias vidas (…), elas poderiam ter condições dignas de subsistência”. Os depoimentos das mulheres usuárias da Unidade Auxiliar Centro Jurídico Social da Unesp, câmpus de Franca, complementam a pesquisa. Sobre a autora – Graduada (1995) e mestre (2003) e doutora (2009) em Serviço Social pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, câmpus de Franca. Atualmente é docente do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos e assistente social da Unesp, câmpus de Franca, atuando na Unidade Auxiliar Centro Jurídico Social.

Designers discutem como a tecnologia influencia na qualidade de vida

8 de novembro de 2017

Pró-reitor de Pós-graduação da Unesp, Eduardo Kokubun, realça pioneirismo e qualidade da coleção Propg Digital

8 de novembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *